quarta-feira, março 28, 2007

Já tinha dito que adoro putos?

19:30...Toca o telefone...

Gil: "Estou?"
Mafalda: "Gil? É a Mafalda!!!"
Gil: "Oh Mafaldinha...então, estás boa?"
Mafalda: "Estou primo...estou a telefonar só para te dizer que tive nota Excelente no ballet!!"
Gil: "Ui, Excelente? Então estás de parabéns!"
Mafalda: "Estou...já sabia que tinha corrido bem porque a professora estava sempre a olhar para mim, a abanar a cabeça a dizer "sim" e a rir-se!"
Gil: "Ai era? Sim senhora...então deves estar toda vaidosa..."
Mafalda: "Não."
Gil: "Não? Como não?"
Mafalda: "Não primo, porque acabei de tomar banho e vesti o pijama...(silêncio breve)...não estou bonita."

Será que quando eu era puto era assim...fofo?

sexta-feira, março 23, 2007

Cover me

Esatava a brincar às pessoas responsáveis que estudam (não passou de uma brincadeira mal conseguida) enquanto ouvia música, até que passou uma música do Nuno Bettencourt com a Lúcia Moniz, "Cover me". O refrão dessa música diz: "Cover me, under your umbrella...cover me." Esta frase fez-me lembrar da primeira vez que abri o meu guarda-chuva para abrigar uma rapariga. Nostálgico...lembro-me que era uma tarde fria de um Abril atípico. Nesse dia tinha chovido muito de manhã mas a tarde apenas era cinzenta e ventosa. Eu era novo, 13 ou 14 anos talvez. Lembro-me que estávamos debaixo de uma árvore a conversar, perto da piscina onde eu treinava, e de repente, umas rajadas de vento abanaram os ramos fazendo com que caíssem umas pingas que neles estavam presas. Era uma árvore que já começava timidamente a mostrar as promessas de uma folhagem verde estival. Nesse momento, abri o guarda-chuva para nos abrigar...não queria saber se chovia ou não, não queria saber se as outras pessoas iriam achar ridículo um guarda-chuva aberto quando as nuvens tinham dado tréguas, ou até poderia ter pensado em sair debaixo da árvore já que não chovia...mas não, aquela árvore talvez fosse o lugar ideal para se estar naquele momento, o lugar ideal para ter suscitado em mim aquela reacção. Na verdade, o que eu não queria era molhar o cabelo castanho daquela bonita rapariga de pele clara com um toque róseo nas maçãs do rosto que partilhava comigo uma conversa tímida. Quase que me lembro do que tínhamos vestido, pelo menos lembro-me que eu tinha um casaco azul e vermelho horrível que a minha mãe me obrigava a usar nos dias de chuva e que me embaraçava imenso quando tinha de o vestir. O assunto da conversa? Não me lembro...apenas que era envolta numa timidez ingénua, num ritmo lento e indeciso. Na verdade nunca sabia muito bem o que dizer nesses momentos e para me refugiar da minha falta de jeito "para essas coisas" limitava-me a sorrir. E abrir o guarda-chuva foi uma óptima ideia, pelo menos deu para nos aproximarmos mais um pouco, numa tentativa de cabermos os dois debaixo da cobertura exígua.
"Open your umbrella and cover me..."
Delicioso...

terça-feira, março 20, 2007

Super-Mãe

Que a minha mãe é a maior, já eu sei há quase 20 anos, e é curioso como me continua a surpreender todos os dias e como isso me dá vontade de repetir este sentimento todos os dias.
Há uns tempos atrás deu-me uma notícia que me deixou orgulhosamente comovido:
"Filho, decidi ir acabar o ensino secundário...estou a pensar inscrever-me numa escola para frequentar um curso que me dá a equivalência e vou ter aulas à noite."
Mas que grande notícia! É tão bom ver uma mulher de cinquenta anos a querer agarrar-se á vida e pensar que ainda não é tarde para um desejo tão antigo. E pensar que ela faz tudo isto pela realização pessoal sem qualquer tipo de ambição profissional ainda me deixa mais orgulhoso. Não consigo deixar de sentir que ela adiou este objectivo por minha causa e pela minha irmã por querer estar sempre connosco no nosso crescimento, por querer estar sempre presente no fim do nosso dia para nos apoiar e nos dar coragem para o seguinte, por ter posto as nossas vidas à frente da dela...e eu serei sempre um filho grato pelo facto de ela ter feito da minha vida a sua própria vida.
Quando cheguei há momentos à sala para ver o ER, chegou-se à minha beira e pediu-me para lhe corrigir uma composição em inglês feita por ela para entregar junto com a ficha de inscrição. Foi a composição em inglês mais deliciosa que já li...com erros é óbvio mas caramba, a minha mãe escreve mesmo em inglês!! E agora quando saí da sala, estava a ler um pequeno livro em francês "para exercitar, porque não quer fazer má figura nas aulas". Vocês não imaginam o quanto é bom ver a minha mãe tão entusiasmada com este novo projecto...tão entusiasmada em aprender.
E com isto, não me canso de dizer que a minha mãe é a maior!

quarta-feira, março 07, 2007

Incubus

Um bom concerto mas confesso que esperava melhor...mas mesmo assim valeu muito a pena!



Drive

Arrisco "Wish You Were Here"

(Fotografias gentilmente cedidas pela Sara)

E para desilusão das gajas, o Brandon não ficou em tronco nu...parece que estava frescote...